Rádio Podcast - Programa da semana
Culto ao vivo - Domingos às 20h

« Página inicial

Deus ainda é desconhecido em Atenas?
- 28/03/2011

 

Estimados leitores de O Presente. Estamos no aeroporto de Amsterdam, na Holanda, escrevendo essas linhas. Dia 11 de março, completando 38 anos de trabalhos pastorais em Marechal Cândido Rondon, embarcamos em Curitiba com destino a Atenas, Grécia. Em Atenas o apóstolo ficou nervoso com a idolatria da cidade e começou a proclamar o Evangelho de Jesus. Os atenienses diziam: “Ele parece que está anunciando novos deuses”. Então o conduziram ao Areópago para investigar sua doutrina. Junto a essa gigantesca rocha conhecida por Areópago, os sábios julgavam os crimes mais complicados e bárbaros de sua época. (At. 17: 15 - 34).

Ao chegar a Frankfurt, tomei o jornal mais pornô da Alemanha: “Die Bildzeitung”, porque não havia imagens obscenas, mas de horror, fogo, destruição e tsunamis que mostravam o Japão em pânico e mortes, pelo terremoto do dia 11 de marco, 2011. Ao ler a pergunta “O que está acontecendo com nosso mundo?” no jornal mais depravado da Alemanha, entendi que é Deus que está sacudindo o globo, com frequência cada vez maior. 

Estivemos por uma noite em Bremen, na residência de meu irmão, pastor Norberto Hort, que me passou as instruções necessárias para residir em sua casa, pois ele embarca para residir em nosso apartamento em Marechal Cândido Rondon. Trocamos de casa e carro, menos as esposas, até o dia 15 de maio, 2011, se Deus o permite.

Agora estamos em Atenas. Acabamos de retornar da visita ao centro Histórico de Acrópoles. Estivemos no Areópago que foi o destino principal de nossa viagem de pesquisas. Nesse parque o apóstolo Paulo pregou seu sermão mais famoso, intitulado: “Ao Deus Desconhecido”.

O Areópago é uma pequena montanha, que parece uma só rocha, de aproximadamente 50 metros de comprimento, 12 de altura e 15 de largura. Essa rocha foi lugar dos julgamentos dos juízes de Atenas na Antiguidade. Junto ao Areópago os juízes julgavam os crimes mais complicados e bárbaros.

Quando o povo ouviu Paulo proclamando o Evangelho de Jesus Cristo, as autoridades o conduziram ao Areópago, para lhe dar oportunidade de defesa. 

Hoje (14 de marco) tivemos a satisfação de entrevistar 16 pessoas em Atenas, perguntando: “O Deus Desconhecido de Paulo, é conhecido em sua alma?” Não procuramos estatísticas, desejávamos saber de cada pessoa: “Você crê em Deus e em Jesus Cristo?” Jamais esperávamos respostas de fé com tanta gentileza do povo grego, como a ouvimos em suas próprias palavras! Não me foi permitido subir com o elevador para o alto das ruínas de Acrópoles (150m de altura), por motivos cardíacos, mas próximo às ruínas de Acrópoles, encontramos Demetrios, 40 anos de idade, a única pessoa entrevistada que dizia não ter religião e que não crê em Deus. Mas, com esse homem, que tocava seu instrumento musical aos pés das ruínas, tive uma das mais belas manifestações do amor de Deus.

O único ateu que encontramos transformou-se em amigo. Ele concluiu suas palavras dizendo: “Sr. Mário, quero lhe encontrar aqui novamente... seu coração estará bem...!”  Eu respondi: “Talvez seja lá no ALTO JUNTO A DEUS!” Mas, ele disse: “Não, aqui mesmo” e por amor a nossa amizade, vou começar a crer...” 

É com felicidade que escrevo aos amigos leitores de O Presente para vos comunicar que, a fé em Deus, naquele que criou o Céu e a terra e ressuscitou a Jesus dos mortos, está vivo e presente também no coração do povo de Atenas. Isso foi confirmado pelos lábios e os olhos que eu observei ao responder minha pergunta. A fé que brotou de pessoas de língua e costumes diferentes me convenceu a continuar investindo minhas poucas forças que ainda restam para proclamar o nome de Deus, antes que venha o último “tsunami”, não sobre o Japão, mas sobre a nossa alma.

 

Mário Hort – Atenas, Grécia.

Mostrar todos os artigos