Rádio Podcast - Programa da semana
Culto ao vivo - Domingos às 20h

« Página inicial

Como você chama a sua mulher?
Pr. Isaí M. Hort - 31/03/2020

Como você chama a sua mulher?

Quando morei na Alemanha, ouvi falar que conforme os anos de casamento passam os “animais” vão crescendo.
Nos primeiros anos de relacionamento, o homem chama sua esposa de “
meine kleine Maus”, “meu pequeno ratinho”. (Expressão carinhosa no outro lado do mundo, por aqui acho melhor não tentar, você pode se dar mal).
Depois de alguns anos a expressão passa a ser, “meine kleine Kätzchen”, “minha pequena “gatinha”. Passados alguns anos de casamento, os conflitos aumentam e o marido passa a dizer que sua esposa esta brava como uma “Löwin”, “leoa”. Depois disso, usa-se nomes de animais ainda maiores que nem quero mencionar para não dar ideia para os momentos de discussão.
A verdade é que o grande desafio do casamento é não deixar os “animais crescerem”.
Gosto deste versículo de Cânticos que mostra a forma como o homem fala de sua amada:

"Como um lírio entre os espinhos é a minha amada entre as mulheres.” Ct 2:2
O autor sagrado nos deixa algumas lições sobre a forma como a sua amada deve ser vista, deixe-me enumerar de forma breve.

1- A sua amada é um destaque aos seus olhos.
O versículo mostra que o Lírio brilha aos olhos do marido. Sua esposa é o lírio, ela destaca, ela chama a atenção dele.

2- A sua amada é uma flor delicada.
O autor a descreve como uma flor sensível que precisa de cuidado e respeito. Muitos casamentos começam a desmoronar quando vem o pensamento de que o cônjuge é forte o suficiente para levar pancadas. Somos sensíveis, a esposa de forma especial, é delicada como um lírio.

3- A sua amada é valorizada.
Ele não a chama de uma flor qualquer. O lírio era uma das flores mais admiradas na época. Em muitas culturas ela era o símbolo de amor eterno. O autor valoriza sua amada usando o nome de uma flor preciosa.

4- Todo o restante é espinho.
Aqui está uma das lições mais importantes. “Como lírio entre os espinhos”. O Autor entende que a sua esposa é de altíssimo valor e que todas as outras são espinhos que não devem ser tocados. Quando Deus ordena que não devemos adulterar, é porque ele não quer ver ninguém se machucando com espinhos. O adultério é um espinho venenoso que só traz morte e destruição.

Vamos valorizar nossa amada. Ela é como um lírio entre os espinhos. Ela deve chamar a nossa atenção e receber nossos elogios e cuidados. Não deixe seu lírio perder sua beleza e perfume. Cuide, alimente e regue com amor.
Pr. Isaí M. Hort

Mostrar todos os artigos