Rádio Podcast - Programa da semana
Culto ao vivo - Domingos às 20h

« Página inicial

O DNA de uma lágrima
Mário Hort - 29/09/2014

A Bíblia diz: “Recolhestes as minhas lágrimas nos teus vasos e... não estão elas inscritas no teu livro”? Salmo 56:8. “Ele enxugará dos olhos toda a lágrima”.  Apc. 21:4.

DNA em inglês: deoxyribonuncleic adic. - ADN, em português: ácido desoxirribonucleico é um composto orgânico cujas moléculas contem as intruções genéticas, que coordenam o desenvolvimento e funiconamento de todos os seres vivos e alguns vírus e que transmitem as características hereditárias de cada ser vivo. A cadeia principal do ADN é formada por fosfato e resíduos de açúcar, dispostos alternadamente. Wikipédia. 

O DNA da lágrima de Alegria

Tempos atrás, estivemos na residência da filha quando ela ainda residia na Suíça. O propósito foi escrever sobre o “DNA de uma lágrima”, porém eu pensava apenas nas lágrimas de tristezas, dores e amarguras. Mas, ao chegar à casa de Ângela, ela perguntou: “Mario você não vai escrever sobre o ‘DNA das lágrimas de Alegria’”? 

Ângela e Natalia minha esposa, são movidas a base da energia da alegria, onde quer que estejam. Porém, poucos minutos mais tarde, perguntei: “Ângela, como estão seus pais”? Ao que ela respondeu como quem não deseja falar de seus pais, e disse: “Já estamos exaustos de falar desse assunto, pois há pouco eu descobri, que minha mãe faleceu, quando ela já estava sepultada”.

“Como? Você soube do falecimento de sua mãe, quando ela já estava na sepultura”? Perguntei surpreso.

“Sim”, disse Ângela. “Em minha família tivemos uma história de intrigas até a morte. Minha avó faleceu e minha mãe não permitiu que comunicassem a sua irmã, o falecimento de sua mãe.

As duas viviam brigadas durante quase toda sua vida. Agora, meu pai e minhas tias não permitiram que eu fosse comunicado da enfermidade, nem da morte de minha mãe, que acaba de falecer. Isso em represália de minha conversão aos 14 anos de idade. Eles me acompanharam até aos 19 anos, porém no dia do meu batismo, o pai falou parado diante de mim: ‘A partir de hoje você não é mais nossa filha’. E assim eles me deixaram isolada nos últimos, mais de 26 anos.

Por essa razão desejo cortar a fita do DNA de amargura, de minha geração.

Quero fazer um corte nesse DNA de tristezas e intrigas. Eu quero viver na alegria que encontrei em Cristo e na igreja que me recebeu com muito carinho, desde a minha adolescência. Também fui bem recebida na casa de minha sogra, e em toda família de meu esposo, onde existe muita alegria”. Concluiu.

Sim, é possível “cortar” a espiral do DNA das amarguras e conhecer nova vida na família de Deus.

Natalia e eu conhecemos esta família russa, os pais do seu esposo. No dia do aniversário de Ângela, apareceu uma turma com os pais do esposo Paul; irmãos e irmãs com seus filhos, para celebração dos seus 40 anos de idade.

Nosso DNA pode acusar uma nova história, mas é preciso: reconhecer, aceitar e viver uma vida de alegria no Senhor e nos caminhos da nova vida.

Famílias cristãs também conseguem viver em intrigas, invejas e ódio e muitos deles, também vivem assim até a morte.

É preciso cortar o DNA do mal em nossas famílias, antes que o resultado seja revelado no dia do Juízo Final!

Mário Hort

Mostrar todos os artigos